Google Website Translator

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Antonov An-225 Mriya: o maior avião do mundo

No início dos anos 80, os Estados Unidos começaram a utilizar veículos espaciais recuperáveis, os chamados ônibus espaciais, com grande sucesso. Os soviéticos, inspirados por esse sucesso, começaram imediatamente a projetar seu próprio ônibus espacial.
Os ônibus espaciais possuem tanto características de veículos espaciais como de aeronaves, e tornou-se necessário, então, produzir uma aeronave-mãe para o ônibus espacial russo, para possibilitar seu transporte por via aérea para as bases de lançamento, assim como para testes de planeio das espaçonaves.
Em seu programa espacial, os Estados Unidos adaptaram um Boeing 747 para transportar os ônibus espaciais. A União Soviética já possuia uma aeronave semelhante, o Myasishchev VM-T Atlant, capaz de transportar grandes cargas externas, mas que era insuficiente para transportar o grande ônibus espacial russo, muito semelhante mas maior que os seus congêneres americanos.
Concepção artística do fabricante, da época da criação da aeronave
Pensou-se em adaptar o cargueiro estratégico Antonov An-124 Ruslan para a tarefa, mas mesmo esse enorme avião seria insuficiente para a tarefa. O Escritório de Desenhos Antonov, então, propôs ampliar o design básico do Ruslan, acrescentando anéis de extensão na fuselagem e aumentando a envergadura das asas. Dois motores turbofan Ivchenko Progress D-18T foram acrescentados ao 4 motores do mesmo tipo utilizados nos Ruslan.
O resultado da ampliação foi a criação da maior aeronave da história. Vários problemas tiveram que ser resolvidos. Um deles era a estabilidade direcional e o controle em torno do eixo vertical, quando a aeronave estivesse carregando o ônibus espacial no dorso. Isso foi resolvido com a substituição da empenagem vertical simples por duas derivas menores instaladas nas extremidades do estabilizados horizontal.
O enorme An-225, comparado a outro gigante, o Boeing 747-400
Outras modificações foram feitas para reduzir o peso da aeronave, como a eliminação da porta traseira e da rampa de carga do Ruslan. O desempenho conseguido foi considerado aceitável, uma vez que, ao contrário do Ruslan, a aeronave não teria função nem de transporte aéreo tático e nem requisitos para operação em pistas curtas.
Tripulantes e pessoal de terra, curiosos, cercam a grande aeronave
A maior aeronave do mundo voou pela primeira vez em 21 de dezembro de 1988. Designada pelo fabricante como Antonov An-225 Mriya (em ucraniano: Антонов Ан-225 Мрія), foi exposta orgulhosamente em exposição estática no Paris Air Show de 1989, em Le Bourget, e em voo no Farnborough Air Show em 1990. Mriya significa, em ucraniano, "sonho".
O An-225 tem envergadura de 88,4 metros, 8,4 metros mais longa que a do Airbus A380
Na sua função original, como transportador do ônibus espacial russo, o Buran, o Mriya executou 24 voos de teste. Entretando, por essa época, a situação política e econômica da União Soviética, sob o governo de Mikhail Gorbachev, estava em franca deterioração, e a própria União Soviética estava chegando ao seu fim. Por fim, a União Soviética foi declarada oficialmente extinta em 31 de dezembro de 1991. O ambicioso programa dos ônibus espaciais russos não sobreviveu a esse fato, e o Buran, que tinha executado uma única missão orbital, em 15 de novembro de 1988, jamais voou novamente após o colapso soviético.
O Buran voou apenas 24 vezes no dorso da fuselagem do An-225
Com o fim do programa do ônibus espacial russo, o Mriya foi considerado supérfluo e retirado de voo em 1994. Seus motores foram removidos para equiparem os An-124 Ruslan em operação. Uma segunda aeronave An-225 teve sua construção abandonada em Kiev na Ucrânia, e pelos cinco anos seguintes as duas maiores aeronaves do mundo ficaram totalmente esquecidas.
O cockpit analoógico do An-225 já era obsoleto desde a época em que foi fabricado
Entretanto, no final dos anos 90, a Antonov estava operando uma empresa especializada em transporte de cargas muito pesadas, a Antonov Airlines, utilizando uma frota de 4 aeronaves An-124 Ruslan e 3 An-12, e logo a empresa sentiu a necessidade de uma aeronave maior para transportar cargas ainda mais pesadas, como locomotivas, trens e geradores de hidrelétricas.

O Mriya, então, foi retirado da sua precoce aposentadoria, remotorizado e colocado novamente em serviço. Recebeu seu Certificado de Tipo como aeronave civil em 23 de maio de 2001 e transportou uma carga recorde experimental de 253,8 toneladas em setembro do mesmo ano.
O grande espaço interno para cargas é a melhor característica do avião
O primeiro voo comercial do Antonov An-225 partiu de Stuttgart, Alemanha, em 03 de janeiro de 2002, carregando 187,5 toneladas de suprimentos militares para Thumrait, Oman, atendendo às necessidades das tropas americanas estacionadas na região.
Pilotos manobrando o Mriya: a aeronave tem características de voo únicas
Desde então, o Mriya é usado para transportar cargas pesadas ou volumosas demais para os demais aviões cargueiros em serviço no mundo, tornando-se então praticamente indispensável. Já transportou geradores de 150 toneladas e trens do metrô de Nova Delhi, entre outras cargas, e é extremamente útil para transportar suprimentos para regiões atingidas por catástrofes naturais e guerras no mundo inteiro.
Em fevereiro de 2010, o Mriya transportou máquinas de construção civil para atender as vítimas do terremoto no Haiti, e logo em seguida foi fretado para transportar bombas de óleo para a Refinaria Paulínia (REPLAN), da Petrobrás. Pousou no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, na manhã de hoje, 14 de fevereiro de 2010, sendo estacionado na posição I-00. É a sua primeira operação em território brasileiro.
À parte as sua enormes dimensões, o Mriya tem uma construção bastante convencional, quase totalmente metálica. O nível de automação é muito baixo mesmo considerando a época em que foi construído, necessitando de nada menos que 6 tripulantes no cockpit em tripulação simples. Seu painel de instrumentos possui apenas instrumentos convencionais e lembra os painéis dos antigos DC-8 ou Boeing 707. Como é equipado com 32 rodas no trem de pouso, 4 no nariz e 28 no trem principal, normalmente carrega vários pneus estepes, fixados nas laterais da fuselagem interna. Na operação de carga e descarga, os trens de pouso dianteiros podem ser parcialmente retraídos, ficando a aeronave apoiada em patas hidráulicas especialmente projetadas. Isso facilita bastante as operações, especialmente quando embarcando e desembarcando peças muito longas.
A célula incompleta do segundo exemplar do Mriya, em agosto de 2011
Em 2006, sentiu-se a necessidade de um segundo An-225 para complementar as operações da única aeronave atualmente em voo. Decidiu-se retomar a construção da segunda célula abandonada na linha de produção em Kiev (fotos acima e abaixo). Essa aeronave é bastante diferente do An-225 original, já que não mais se destina a transportar naves espaciais. Possui uma empenagem simples, e foi instalada a porta de carga traseira inexistente no primeiro avião. A aeronave deveria ficar pronta em agosto de 2008, mas por volta de setembro de 2009 ainda não tinha sido completada e os trabalhos foram novamente abandonados, por enquanto.
O segundo An-225, inacabado, na Ucrânia
O Antonov An-225 Mriya tem 84 metros de comprimento, 88,4 metros de envergadura e 18,1 metros de altura. A carga máxima prevista é de 250 toneladas, e a área da asa alcança inacreditáveis 905 metros quadrados. É equipado com seis motores ZMKB Progress D-18, turbofans de 51,6 mil libras de empuxo cada um. Quando totalmente carregado, exige uma pista de 3.500 metros para a decolagem. Carregado, normalmente voa em niveis mais baixos, em torno de 20 mil pés ou menos, mas pode chegar a 36 mil pés dependendo da carga e do combustível transportados. Sua velocidade máxima é de 850 Km/h, e a de cruzeiro é um pouco menor, de 800 Km/h. Como a grande maioria dos aviões russos, possui os instrumentos calibrados no sistema métrico decimal, com velocímetro em Km/h e altímetros em metros. O peso máximo de decolagem (MTOW - Maximun Take-off Weight) é o maior do mundo, atualmente, alcançando 640 toneladas, quase o dobro do MTOW dos primeiros Boeing 747.
Nenhuma aeronave operacional ou em projeto no mundo possui a capacidade do Mriya, e é provável que esse avião mantenha ainda, por muitos anos, o título de maior e mais pesado avião do mundo.

6 comentários:

  1. meu Deus! e ainda é belo.
    acho q tao belo quanto o c-5 galaxy,
    um sonho!

    belissimo post

    ResponderExcluir
  2. Sensacional!!! Sou um dosa felizardos que tive o inexplicável prazer de vê-lo a olho nu em sua passagem pelo Brasil... Fantástico!!!

    ResponderExcluir
  3. Fantástica matéria! Parabéns a este blog que traz informações valiosas para profissionais e leigos que tem interesse em se manter informados sobre a cultura e novidades da aviação...

    ResponderExcluir
  4. É Uma Belissima aeronave, um Verdadeiro Sonho!! Quem me dera ter a chance de vê-la de perto alguma vez, espero que em breve tenha essa oportunidade unica!

    ResponderExcluir
  5. Jonas, excelente artigo, muito bom.
    Eu particularmente acho o C-5 Galaxy mais bonito, mas essa máquina aí é fantástica.

    ResponderExcluir
  6. E hoje, aqui em Campinas tive o privilégio de vê-lo perto de casa aterrissando em Viracopos...é de encher os olhos!

    ResponderExcluir

Gostou do artigo??? Detestou? Dê a sua opinião sobre o mesmo.