Google Website Translator

domingo, 14 de agosto de 2016

Os coloridos Boeing 727 da Transbrasil

No início da década de 1970, a Sadia, empresa aérea criada pelo empresário Omar Fontana em 1955, começou a operar seus primeiro jatos, os ingleses BAC One Eleven, batizados por Fontana como "Jatões". Tais aeronaves tiveram uma carreira bem sucedida, e animou Fontana a adquirir aeronaves Boeing 727-100 usados, para complementar a frota de "Jatões" e substituí-los com o tempo.

A Sadia foi rebatizada com o nome de Transbrasil em 1973, e sua sede foi transferida para Brasília. Os aviões passaram a ser pintados com esquemas bem coloridos, inspirados nos esquemas usados pela empresa aérea americana Brannif. Por essa época, a frota da Transbrasil estava composta de sete BAC One Eleven, seis Embraer 110 Bandeirante e dois Handley-Page (Dart) Herald.
O PT-TCA, em 1975, com um esquema de pintura semelhante aos usados nos BAC 1-11
 Em 1974, Fontana adquiriu da Pan Am seu primeiro Boeing 727-21C. A Transbrasil também firmou contrato com os Correios para fazer a RPN - Rede Postal Noturna e, portanto, priorizou a aquisição de aeronaves conversíveis carga-passageiros, que transportariam passageiros durante o dia e malotes postais durante a noite, otimizando ao máximo o uso dos jatos.
Boeing 727-21C PT-TCB, em 1877, no aeroporto do Galeão
O esquema funcionou, e logo a empresa passou a se desfazer de todos os demais aviões da frota, padronizando com os Boeing 727. O último BAC One Eleven deixou de operar em 1979.
O PT-TYU, em 1976
Ao adquirir os primeiros 727, um novo esquema de pintura foi desenvolvido especialmente para eles, bem colorido, chamado genericamente de Energia Colorida, mas que compreendia, na verdade, vários esquemas diferentes, cada um deles aplicado a uma aeronave diferente, e chamados de Energia Petrolífera, Energia Solar, Energia Solar II, Energia Eólica, Energia Nuclear, Energia Cinética... Outros esquemas surgiram com o tempo, e era comum que as aeronaves mudassem de cor e de esquema. O PT-TCA, primeiro Boeing 727 operado, voou na empresa por 8 anos, até 1982, e teve nada menos que 4 esquemas diferentes aplicados durante esse tempo.
Alguns esquemas "Energia Colorida" em um anûncio da Transbrasil
A pintura colorida fez sucesso com o público, rompendo com os monótonos esquemas utilizados pelas outras empresas que operavam na época, Varig, Vasp e Cruzeiro. O uso de pinturas coloridas foi uma brilhante jogada de marketing, capitaneada pelo diretor Gianfranco Betting, que ficou muitos anos na empresa e revolucionou os conceitos até então usados na aviação.
O PT-TYH, ex-Braniff, em 1977
Em 1978, os esquemas "Energia" começaram a ser substituídos pelo esquema "Arco-íris". As fuselagens dos aviões foram pintadas em branco, as asas e os logotipos foram pintadas com as cores do arco-íris, cada avião levando uma cor diferente, com exceção do amarelo, e as derivas foram pintadas com todas as sete cores do arco-íris. O último esquema de pintura da Transbrasil, uma simples evolução do conceito arco-íris original, jamais chegou a ser aplicado em nenhum Boeing 727, no entanto.
O PT-TYO, no Aeroporto do Galeão, em 1977
Dez Boeing 727 da Transbrasil eram dos modelos C (Combi), combinados/conversíveis carga-passageiros, alguns com kit QC (Quick Change).  O kit QC, fornecido pela Boeing, que equipava seis dos modelos C da Transbrasil, permitia a conversão do avião em cerca de 20 minutos de carga para passageiros, ou vice-versa. Os assentos, em grupos, e lavatórios, deslizavam por trilhos e eram embarcados ou desembarcados facilmente pela porta de carga lateral. Esse modelo era especialmente útil para o uso na Rede Postal Noturna, devido a essa versatilidade. Podiam operar quase 24 horas por dia, parando apenas para manutenção. Voavam durante o dia transportando passageiros, com 117 poltronas, e à noite eram totalmente reconfigurados para carga, praticamente todos os dias.
O PT-TYS, em 1978. Foi o único Boeing 727 da Transbrasil perdido em acidente
Todos os 12 aviões restantes da frota eram configurados exclusivamente para passageiros, com 117 assentos e sem porta de carga. Devido às suas origens, não havia um padrão de decoração interna, e alguns aviões, especialmente os que vieram da Brannif, tinham o interior bastante colorido.
O PT-TCA em 1978. Essa aeronave teve 4 esquemas diferentes de pintura em 8 anos de operação
Na Transbrasil, os Boeing 727 foram chamados de "Trijatões", para diferenciá-los dos "Jatões", os BAC One Eleven. Nos anos 70, todas as quatro grandes empresas aéreas brasileiras operaram os Boeing 727.

A carreira dos 727 na Transbrasil foi bastante feliz, embora tenha acontecido um acidente fatal em 1980 (Ver no destaque abaixo). Os aviões, todos fabricados na década de 60, eram bastante apreciados pelos seus usuários. A Transbrasil não comprou nenhum 727 novo do fabricante, todos vieram usados, e não chegou a desmontar nenhum, todos foram vendidos, com exceção do PT-TYS, acidentado em 1980.
O PT-TYQ em 1979, já com pintura no esquema "Arco-íris"
A Transbrasil chegou a operar 19 aeronaves 727 simultaneamente, entre 1981 e 1984. A empresa chegou a estudar a compra dos modelos alongados 727-200, mas acabou optando por adquirir seu substituto direto, o Boeing 757, além de modelos 767 de fuselagem larga. Entretanto, a encomenda dos 757 acabou por ser cancelada, e nenhum avião desse modelo chegou a ser fabricado para a Transbrasil. Os 767 chegaram em 1983, encerrando um período de quase quatro anos de frota composta unicamente pelos Boeing 727-100.
O PT-TYK em 1984, com o esquema básico da Aerobrasil
Um 727-27C, matriculado PT-TYK, foi arrendado, por pouco tempo, em 1984 à Aerobrasil, subsidiária da Transbrasil que, normalmente fazia voos de carga e fretamentos, inclusive para o exterior.
O PT-TYK em 1984, com logotipos da Aerobrasil e Transbrasil
 A Transbrasil começou a vender, ou devolver, seus 727 a partir de 1982, numa época de crise econômica e hiperinflação, mas operou o tipo intensamente até o final de 1989. Seus substitutos na frota doméstica foram os Boeing 737-300 e 737-400.
O PT-TYN em 1978, no Aeroporto de Londrina/PR
Nenhuma célula de Boeing 727 da Transbrasil ficou no Brasil, e nenhuma foi preservada. Nenhum dos aviões operados ainda permanece em condição de voo, embora possa existir alguns abandonados e ainda não desmontados. Mas, durante 15 anos, os Boeing 727 da Transbrasil fizeram história nos céus brasileiros.

O ACIDENTE DO PT-TYS - VOO TB 303:

No dia 12 de abril de 1980, o Boeing 727-27C matriculado PT-TYS bateu no Morro da Virgínia, às 20:38, hora local, nas imediações do Aeroporto de Florianópolis/SC, vitimando 55 dos 58 ocupantes da aeronave.
O PT-TYS como era, quando se acidentou, recém pintado no esquema "Arco-íris"
A aeronave cumpria o voo TB 303, que começou na manhã do mesmo dia em Belém, com escalas em Fortaleza, Brasília, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo e Florianópolis, tendo com destino final Porto Alegre, onde deveria pousar em torno das 22 horas.
O PT-TYS acidentado em Florianópolis/SC
O PT-TYS decolou de São Paulo no início da noite com 50 passageiros, e oito tripulantes, sendo um deles um oficial da Força Aérea Brasileira, o Major-Aviador Ricardo Matricciani, fazendo recheque no tipo, pois era checador do Departamento de Aviação Civil. O experiente comandante era Geraldo Álvaro da Cunha Teixeira, com mais de 20 mil horas de voo, auxiliado pelo primeiro-oficial Paulo César Vaz Vanderley e pelo engenheiro de voo Walter Lúcio Mendes.

A aproximação em Florianópolis foi bastante dificultada pelas péssimas condições meteorológicas, com trovoada e fortes rajadas de vento. Correram informações, à época, e nunca confirmadas, que no assento da esquerda estava o Major Matricciani, e o comandante, que deveria estar, nessas condições, no assento da direita, estava na verdade no jump seat, orientando o Major.
Rota da colisão do voo TBA303 (Boeing 727 Datacenter)
Pelos regulamentos então em vigor na empresa, o comandante é que deveria estar pilotando o avião, devido às condições meteorológicas, ainda que o Major Matricciani estivesse qualificado para a pilotagem. Oficialmente, a investigação concluiu que o comandante estava realmente no assento da esquerda e que os boatos eram infundados, mas era época do Regime Militar, e a imprensa era censurada, não se podendo, portanto, afirmar, com absoluta certeza, quem realmente pilotava o avião no momento do acidente.

Naquela época, o Aeroporto Hercílio Luz dispunha, como equipamento de radionavegação, de um simples NDB, rádio farol não direcional.

Ao cumprir o procedimento Delta, a aeronave foi autorizada a descer de 3 para 2 mil pés. Se tivesse mantido sua rota correta, entrando pela Baía Norte, poderia descer com segurança até a 1000 pés, mas estava cerca de 8 Km a esquerda, e chocou-se com o morro quando estava a 1.100 pés subindo, e não descendo, para a altitude para a qual foi autorizada, 2 mil. Ou seja, a tripulação voava bem fora dos padrões operacionais, e, não dispondo de equipamentos como o GPWS (Ground Proximity Waring System), por exemplo, acabou sofrendo um tipo de acidente ainda muito comum naquela época, o CFIT - Controlled Flight Into Terrain - voo controlado em direção ao solo). Tecnicamente, a aeronave não tinha nenhum problema.

A inacessibilidade do local impediu que as equipes de resgate alcançassem os destroços antes das 22 horas, o que impediu o resgate de mais sobreviventes. Apenas 4 passageiros foram levados, gravemente feridos, para o hospital, mas um dos sobreviventes morreu pouco depois, deixando o desastre com um saldo final de 55 mortos, quase todos carbonizados.

Sob as condições meteorológicas na área, a aeronave deveria ter seguido para a alternativa, no caso Porto Alegre, mas o experiente comandante resolveu tentar (ou, segundo os boatos, orientar) a aproximação e o pouso, e a tragédia se consumou.

LISTA DOS BOEING 727 OPERADOS PELA TRANSBRASIL:

Um total de 22 aeronaves Boeing-727-100 foi utilizado pela Transbrasil durante 15 anos, entre 1974 e 1989. Uma dessas aeronaves possuiu duas matrículas (PT-TCA/PT-TCG):

PT-TCA: Boeing 727-21C - c/n 19136 l/n 314. Primeiro voo em 29/08/1966. Entregue à Pan Am como N341PA, vendido à Transbrasil em 02/10/1974, matriculado PT-TCA. Foi vendido para a International Air Leases e arrendado para a Transbrasil com a matrícula PT-TCG. Devolvido em 23/07/1982, foi para a Arrow Air (N727BB), Evergreen (N722EV) e Fedex (N143FE). Desmontado em Mojave, Califórnia, e registro cancelado em 10/2005. Pintada no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em verde;

PT-TCB: Boeing 727-21C - c/n 19137 l/n 316. Primeiro voo em 09/09/1966. Entregue à Pan Am em 07/10/1966, como N342PA, vendido à Transbrasil em 02/10/1974, matriculado PT-TCB. Foi vendido para a International Air Leases em 12/1981, e arrendado para a Transbrasil. Devolvido em 19/03/1982, foi para International Air Leases (N2969V e N727LJ), Arrow Air, Evergreen (N723EV) e Fedex (N144FE). Desmontado em Millinton, Tennessee, registro cancelado em 26/08/2004. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em laranja;

PT-TCC: Boeing 727-77 - c/n 18844 l/n 114. Primeiro voo em 02/02/1965. Entregue à Ansett Airlines em 20/08/1965 como VH-RMD, armazenado em 03/1979, vendido à International Air Leases em 25/07/1979, e arrendado à Transbrasil em 30/09/1979. Comprado pela Transbrasil em 02/1982, permaneceu em serviço até 14/12/1989, quando foi vendido à Corsair Inc (N133CA). Operou nas empresas peruanas Aerochasqui, Avengair e Americana de Aviacion. Aposentado em 10/03/1993, foi desmontado em Lima, no Peru em 02/1995. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em azul médio;
PT-TCD em 1980
PT-TCD: Boeing 727-77 - c/n 18744 l/n 086. Primeiro voo em18/10/1964 . Entregue à Ansett Airlines em 01/11/1964 como VH-RMF, vendido à International Air Leases em 09/1979, e arrendado à Transbrasil em 30/09/1979. Comprado pela Transbrasil em 02/1982, permaneceu em serviço até 15/05/1989, quando foi vendido à Corsair Inc (N133CA). Arrendado à Toros Airways System (TC-AJS). Devolvido para a Corsair Inc. em 01/1990 (N134CA). Voou depois para a Avengair e Americana de Aviacion peruanas.Aposentado em 10/03/1993, foi desmontado em Lima, no Peru em 02/1995. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em violeta;

PT-TCE: Boeing 727-77 - c/n 18743 l/n 078. Primeiro voo em 21/09/1964 . Entregue à Ansett Airlines em 29/06/1964 como VH-RME, vendido à International Air Leases em 18/01/1979, e arrendado à  Mexicana em 18/06/1979 como XA-MEG. Voltou à International Air Leases em 06/11/1981 e arrendado para a Transbrasil em 20/12/1981. Comprado pela Transbrasil em 02/1986, permaneceu em serviço até 16/05/1989, quando foi vendido à Corsair Inc (N8140V). Arrendado à Toros Airways System (TC-AJT). Devolvido para a Corsair Inc. em 01/1990 (N143CA). Voou depois para a Avengair, Aces (HK-3651X), Hanair (HH-HRI e HHJEC),  Servicios Aereos Routos Oriente (XA-SDH), Quassar (XA-SIR). Devolvido à Avengair em 10/1994, que desativou a aeronave. Aposentado em Opa Locka, foi desmontado em 1998; Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em verde;

PT-TCF: Boeing 727-76 - c/n 18742 l/n 086. Primeiro voo em 01/10/1964 . Entregue à Trans Australian Airlines em 28/10/1964 como VH-TJB, vendido à International Air Leases em 15/04/1980 (YN-BWX), e arrendado à Lanica em 15/08/1980. Voltou para a International Air Leases em 24/02/1981 e arrendado para a Transbrasil em 28/01/1982. Comprado pela Transbrasil em 02/1986, que a alugou à Aces em 26/08/1988. Devolvido para a Transbrasil em 04/1989, foi vendido em 10/05/1989 à Corsair Inc. Arrendado à TUR (TC-ATU). Devolvido para a Corsair Inc. em 16/02/1991 (N66510). Voou depois para a Hanair (HH-PRI), Aerovias S/A (TG-ANP), TLN Trans Latin Air (HP-1179) e Quassar (XA-SHT). Aposentado em 10/1994, foi armazenado em Opa Locka e desmontado em 1998; Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em laranja; Foi o Boeing 727 mais antigo operado pela Transbrasil;

PT-TCG: Boeing 727-21C - c/n 19136 l/n 314. Anteriormente operado pela Transbrasil como PT-TCA, ver os demais dados referentes àquela aeronave;

PT-TCH:  Boeing 727-22 - c/n 19088 l/n 365. Primeiro voo em 26/01/1967. Arrendado e entregue à United Airlines em 09/02/1967, devolvido em 16/09/1981 e arrendada para a Transbrasil em 07/12/1982. Comprada pela Transbrasil em 12/1986, foi vendida para a Evergreen International em 22/10/1987, onde foi N743EV. Convertido em cargueiro 727-22F, voou na Avnet International e na MIBA, como 9Q-CPJ. Perdido em acidente em Kindu, Zaire, no pouso, em 31/10/2005. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em vermelho;

PT-TCI:  Boeing 727-22 - c/n 19140 l/n 369. Primeiro voo em 27/01/1967. Arrendado e entregue à United Airlines em 12/02/1967, devolvido em 29/09/1981 e arrendado para a Transbrasil em 8/12/1982. Comprada pela Transbrasil em 08/12/1986, foi vendido para a Evergreen International em 25/09/1987, onde foi N742EV. Desativado em 03/1992, e armazenado em Marana, Arizona. Desmontado em 10/2002. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em violeta;

PT-TYH:  Boeing 727-27C - c/n 19497 l/n 429. Primeiro voo em 23/06 /1967. Entregue à Braniff em 30/06/1967 como N7288, comprado pela Transbrasil em 06/06/1980. Foi vendido para a Corsair Inc. em 10/07/1989, e arrendado para a TNT - Sava como PT-SAV. Devolvido para a Corsair em 07/01/1993, foi arrendado para a Quassar (XA-SGY), Azteca Cargo (XA-SPK), Carga del Caribe  e Air Nacoia em 04/1995, como D2-FAT. Desativado em 1998, e armazenado na África do Sul. Situação atual desconhecida. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em azul médio;
PT-TYI em 1984
PT-TYI:  Boeing 727-185C - c/n 19827 l/n 527. Primeiro voo em 26/01/1968. Entregue à American Flyers Airlines em 07/02/1968 como N12827, arrendado para a Braniff em 30/06/1971 e vendido para a Braniff em 02/12/1971, como N308BN. Foi comprado pela Transbrasil em 02/05/1980. Foi vendido para a Evergreen International em 25/11/1987, onde foi N744EV, e vendido para a UPS em 22/04/1994, onde foi N954UP. Remotorizado com motores Rolls-Royce TAy 651-54. Foi o mais novo Boeing 727 operado pela Transbrasil. Desmontado em 2008. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em vermelho;

PT-TYJ:  Boeing 727-191 - c/n 19393 l/n 401. Primeiro voo em 14/04/1967. Entregue à Frontier Airlines em N7272F, devolvido para a Boeing em 03/12/1969 e vendido para a Braniff como N299BN, arrendado para a Transbrasil em 14/03/1980 e comprado pela Transbrasil em 05/1982. Foi vendido para a Corsair Inc. em 19/05/1989. Operou na Torsair (TC-AJR), TNT-Sava (PT-SAW) Trans Latin Air (HP-1178LN), Corsair (N135CA), Aricsa Jet Cargo (HC-BSP) e Aerolineas Latinas (YV-813C) . Desmontado em Opa Locka, Flórida, no final dos anos 90. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em azul claro;
O PT-TYK decolando de Heathrow, em 1984

PT-TYK:  Boeing 727-27 - c/n 19499 l/n 444. Primeiro voo em 29/07/1967. Entregue à Braniff em 10/08/1967 como N7289, Arrendado para a Transbrasil em 08/02/1980, comprado pela Transbrasil em 08/1982. Arrendado para a Aerobrasil em 10/1984 e devolvido à Transbrasil em 11/1984. Vendido para a Corsair Inc. em 11/05/1989, voou para a ACES (HK-3438X), Corsair (N7289), Americana de Aviacion (OB-1512). Desativado e depois desmontado em 02/1995 em Lima, Peru. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em azul claro;
Belíssima pintura do PT-TYL na aproximação de Congonhas (autor: Laércio Devegli)
PT-TYL:  Boeing 727-27 - c/n 19501 l/n 453. Primeiro voo em 23/08/1967. Entregue à Braniff em 29/08/1967 como N7292, Arrendado para a Transbrasil em 10/12/1980, comprado pela Transbrasil em 12/1981. Vendido para a Corsair Inc., voou na Aerochasqui, Avengair, Americana de Aviacion. Desativado e depois desmontado em 02/1995 em Lima, Peru. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em azul claro;
O PT-TYM em 1980
PT-TYM:  Boeing 727-27 - c/n 19500 l/n 448. Primeiro voo em 06/08/1967. Entregue à Braniff em 14/08/1967 como N7290, comprado pela Transbrasil em 29/09/1978.  Vendido para a Evergreen International em 15/04/1984, permaneceu na frota da Transbrasil por arrendamento até 15/06/1984. Devolvido, foi matriculado como N727EV. Convertido em cargueiro, foi arrendado para a Continental, Air Micronésia. Ficou armazenado em Maraná, Arizona em 1991 e vendido em 1994 para a Kelowa Flightcraft Charter como C-FACX, e arrendado para a All Canada Express. Retirado de serviço, situação atual incerta. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em violeta;

PT-TYN:  Boeing 727-162 - c/n 19243 l/n 273. Primeiro voo em 19/05/1966. Encomendado pela Pacific Northern, mas foi entregue à Braniff em 20/05/1966 como N7282, comprado pela Transbrasil em 23/09/1977. Vendido para a Corsair Inc., em 14/12/1989, como N113CA, voou nas peruanas Aerochasqui, Avengair, Americana de Aviacion. Desativado em 10/03/1993 e depois desmontado em 02/1995 em Lima, Peru. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em verde;

PT-TYO:  Boeing 727-27C - c/n 19116 l/n 330. Primeiro voo em 22/10/1966. Entregue à Braniff em 04/11/1966 como N7277, arrendado à Transbrasil em 16/04/1977, comprado pela Transbrasil em 11/1977. Vendido para a Evergreen International como N729EV, arrendado à Air Panama e voltou à Evergreen  .Desativado em 06/1992 e armazenado em Marana, Arizona. Status atual desconhecido. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em ocre, depois em azul médio;
O PT-TYP, em 1984, no Aeroporto do Galeão
PT-TYP:  Boeing 727-27C - c/n 19113 l/n 310. Primeiro voo em 26/08/1966. Entregue à Braniff em 14/09/1966 como N7274, arrendado à Transbrasil em 22/12/1976, comprado pela Transbrasil em 11/1977. Vendido em 23/07/1985 para a Evergreen International como N731EV, arrendado à Pride Air e para a Royal Nepal Airlines e voltou à Evergreen  .Desativado em 28/01/1988 e armazenado em Marana, Arizona. Foi desmontado em data desconhecida. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em vermelho;
O PT-TYQ, em 1984, no Galeão

PT-TYQ:  Boeing 727-27C - c/n 19110 l/n 283. Primeiro voo em 15/06/1966. Entregue à Braniff em 24/06/1966 como N7271, arrendado à Transbrasil em 09/1976, comprado pela Transbrasil em 11/1977. Vendido em 18/04/1985 para a Evergreen International como N730EV, arrendado à Copa, retornou à Evergreen e vendido para a Fedex, como N146FE. Desativado em 2003 e armazenado em Greenwood, Mississipi. Foi desmontado em 2005. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em verde;
O PT-TYR em 1977
PT-TYR:  Boeing 727-78 - c/n 18794 l/n 099. Primeiro voo em 10/12/1964. Entregue à BWIA em 21/12/1964, como 9Y-TCO, vendido à Braniff em 08/06/1971 como N305BN, comprado pela Transbrasil em 08/1976. Vendido em 15/04/1985 para a Evergreen International, ficou arrendado à Transbrasil até 15/06/1984, quando foi vendido à Evergreen International como N728EV. Desativado em 03/1992 e armazenado em Marana, Arizona. Presumivelmente desmontado . Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em laranja;

PT-TYS:  Boeing 727-27C - c/n 19111 l/n 297. Primeiro voo em 21/07/1966. Entregue à Braniff em 24/06/1966 como N7272, arrendado à Transbrasil em 28/11/1975, comprado pela Transbrasil em 04/1976. Acidentado em Florianópolis/SC com perda total em 12/04/1980. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em azul médio;
O PT-TYT no seu primeiro esquema de pintura


PT-TYT:  Boeing 727-27C - c/n 19112 l/n 299. Primeiro voo em 29/07/1966. Entregue à Braniff em 26/08/1966 como N7273, arrendado à Transbrasil em 02/10/1975, comprado pela Transbrasil em 09/1976. Vendido em 01/05/1984 para a Evergreen International como N725EV. Desativado em 04/1992 e armazenado em Marana, Arizona. Status atual desconhecido. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em laranja;
O PT-TYU em 1977
PT-TYU:  Boeing 727-27C - c/n 19109 l/n 271. Primeiro voo em 22/05/1966. Entregue à Braniff em 26/05/1966 como N7270, arrendado à American Flyers em 1967, retornando à Braniff em 1968. Arrendado à Transbrasil em 28/08/1975, comprado pela Transbrasil em 07/1976. Vendido em 15/04/1984 para a Evergreen International como N724EV. Vendido para a Fedex em 26/02/1987, onde foi N145FE. Desativado em 2002 e desmontado em Mojave, Califórnia, no mesmo ano. Pintado no esquema "Arco-íris" com asas e logotipos em vermelho;


8 comentários:

  1. Que legal se não fosse pelo blog não saberia disso, e aqui no Japão a Fuji Dream Airlines tem seus Embraer bem coloridos também, particularmente eu gosto dos aviões com cores bem vivas, nada do branco apagado predominante na maioria das companhias aéreas.

    ResponderExcluir
  2. Sempre achei que alguns 757 da encomenda inicial tinham sido construídos, e repassados após desitência. Se não me engano foram parar na Challenge Air Cargo. Procede essa informação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não procede, Nenhuma aeronave 757-2Q4 (Q4 é o Customer Code da Transbrasil) foi construída.

      Excluir
  3. Esses CC da Boeing são curiosos, há dois 767-341ER que nunca voaram na Varig e são relatiavemente novos, são os s/n 30.341 e 30.342. Sabe algo da história deles, do porquê do CC 41 ou de não terem operado nunca na Varig.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Varig desistiu da encomenda, e os aviões foram entregues a outros operadores, pois já se encontrava em situação financeira difícil naquela época.

      Excluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Gostou do artigo??? Detestou? Dê a sua opinião sobre o mesmo.