Google Website Translator

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Aeronaves comerciais brasileiras que já morreram - I


Aeronaves em geral, especialmente as que são utilizadas comercialmente, possuem uma vida útil limitada, e mais cedo ou mais tarde, acabam morrendo, canibalizadas, desmontadas ou simplesmente abandonadas em algum pátio esquecido, no meio do mato, ou no deserto.

Aqui estão alguns exemplos bem recentes, de aeronaves comerciais brasileiras que já se foram. Algumas tiveram um fim prematuro, outras voaram intensamente por anos a fio.
Boeing 737-300 que voou na Gol, como PR-GLA

A Gol Linhas Aéreas padronizou seu equipamento com modelos Boeing 737-700 e 737-800, mas, para suprir suas linhas, enquanto aguardava a entrega de aeronaves novas, utilizou alguns Boeing 737-300 já bastante usados, que operaram principalmente na United. O PR-GLA, no entanto, operou anteriormente na Lufthansa, e foi fabricado em 1986, sendo o mais antigo avião a operar na Gol. Voou dois anos na empresa antes de ser devolvido, Voou depois na Sky Expres da Rússia por pouco mais de dois anos e foi desmontado em julho de 2009.

Boeing 737-700 da Gol sendo desmontado
O PR-GOF, um Boeing 737-700, foi uma das aeronaves da frota inicial da Gol, em 2001. Veio novo para a empresa, mas teve um fim prematuro, foi desmontado apenas 12 anos depois, em julho de 2013, em Victorville, Califórnia.

Boeing 777-200 da  antiga Varig, onde voou como PP-VRD
O PP-VRD foi, talvez, o primeiro Boeing 777 a ser desmontado. Essa aeronave foi entregue ao seu operador original, a British Airways, em 12 de janeiro de 1996, como G-ZZZE, e voou apenas seis anos na empresa. Voltou à Boeing em 2002, e voou na Khalifa Airways da Argélia por pouco mais de um ano, antes de ser arrendada pela Varig, em março de 2004, onde voou como PP-VRD, por pouco mais de dois anos. Foi estocada e depois, finalmente desmontada em Walnut Ridge, Arkansas. Sua fuselagem foi preservada, devido aos poucos ciclos e seu pequeno desgaste, pois, afinal, essa aeronave operou pouco mais de 10 anos no serviço regular. A vida útil extremamente curta de um avião tão grande e caro pode ser explicada pela baixa autonomia desse modelo específico do avião (não-ER), que era destinado a fazer voos domésticos de alta densidade, e que não fez sucesso no mercado.
Airbus A320 que voaram pela TAM como PT-MZQ e PT-MZR, na "linha da morte" em Mojave, Califórnia
Esses dois Airbus A320 estão entre os mais antigos Airbus operados pela TAM. Ambos foram entregues ao seu primeiro operador, a South African Airways, em agosto de 1992, onde voaram por nove anos, antes de passarem para a TAM em 2001. O PT-MZQ operou principalmente nas linhas domésticas, por mais de 11 anos, e o PT-MZR, que tinha 12 poltronas de classe executiva, foi mais usado nas linhas internacionais do Mercosul. A TAM devolveu os dois entre junho e julho de 2012, e os aviões foram desmontados em Mojave, Califórnia. Essas aeronaves, entre outras, que vieram da South African, eram conhecidas entre o pessoal da manutenção da TAM pelo nome pejorativo de "Ebola", pois eram bastante problemáticas, especialmente quanto ao equipamento eletrônico, e não eram populares entre os passageiros, pois não tinham os sistemas de entretenimento dos aviões mais modernos.
O PT-MZP também veio da SAA
O PT-MZS, que também voou na South African
Entre outros aviões da TAM quer vieram da South African estavam também os PT-MZP e o PT-MZS, que também já foram desmontados.
Um dos dois únicos Airbus A340-500 operados pela TAM, o PT-MSN
Enquanto a TAM aguardava a entrega dos novos Boeing 777-300, a empresa voou algumas aeronaves de forma temporária, como os McDonnell-Douglas MD-11 e Airbus A340-500. Os Airbus A340-500 vieram da Air Canada. O PT-MSN foi entregue originalmente à Air Canada em 27 de julho de 2004, e voou por cerca de três anos na empresa antes de ser repassado à TAM, em primeiro de dezembro de 2007. Voou até outubro de 2011 e foi estacionado em Luqa, na Ilha de Malta, de onde voltaria a voar apenas para ser trazido de volta ao Brasil, sendo desmontado totalmente em agosto de 2015, no Rio de Janeiro. De fato, o Airbus A340-500, em que pese sua enorme autonomia, foi rapidamente suplantado pelo Boeing 777-200LR, de maior alcance e bem mais econômico, e acabou se tornando um "mico" no mercado. Isso pode explicar a vida útil extremamente curta do PT-MSN, apenas 7 anos de operação. O destino do PT-MSL, que também foi operado pela TAM, e que voou operacionalmente durante apenas sete anos, é incerto, e o avião está parado, esperando o seu destino final. Atualmente encontra-se estacionado em Schwerin - Parchim, na Alemanha, sem qualquer esperança de encontrar um novo operador.
O Airbus A340 D-AAAL, que voou na TAM como PT-MSL, fabricado em 2004, e que não voa comercialmente desde 2011

25 comentários:

  1. muito legal o texto. no aguardo da parte 2

    ResponderExcluir
  2. So uma observaçao. O PT-MSN foi transladado de Malta pra o RJ onde foi realizado o part out...demontagem
    Eu tive a optunidade de trabalhar nele em Malta pra efetuar este translado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E infelizmente já virou panela, como se diz por aí.

      Excluir
  3. Fiz muito pernoite dos Ebola,o mzp era terrível. Aquele sistema de qtu sem ser de vácuo era problemático.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também voei os ebola, eram terríveis. hahaha

      Excluir
  4. Fiz muito pernoite dos Ebola,o mzp era terrível. Aquele sistema de qtu sem ser de vácuo era problemático.

    ResponderExcluir
  5. Nossa, muito legal o texto. Parabéns :)

    ResponderExcluir
  6. Show de bola a descrição...Aguardo a parte II...mt legal mesmo!

    ResponderExcluir
  7. https://www.youtube.com/watch?v=VGgHLNGHcik

    ResponderExcluir
  8. Apreciei muito essa matéria sobre os valorosos Boeing e Airbus de nossa aviação comercial.
    Todavia, senti falta de uma homenagem póstuma ao pioneiro de nossa aviação comercial a jato, o saudoso Caravelle fabricado pela Sud Aviation e operados aqui pela Varig e Cruzeiro.

    ResponderExcluir
  9. realmente uma matéria que dá gosto de ler. parabéns.

    ResponderExcluir
  10. Está de parabéns, de muita qualidade o site, e para quem gosta de avião então...

    ResponderExcluir
  11. Interessante saber que aviões tão "novos", já viraram sucata. alguns deixaram saudades, como os da Varig, mas muito boa a matéria, parabéns.

    ResponderExcluir
  12. Bem legal a reportagem, só uma correção... os A340-500 são mais econômicos que os B777-200LR e de fato não tem a mesma autonomia...
    A340-500 de 8330 a 8580 NM e 6410 e 6470 kg/hr de consumo
    B777-200LR de 9610 a 10540 NM e 6600 kg/hr de consumo, mas não me recordo de voar no Brasil este modelo de Boeing os da TAM são B777-300ER e o consumo é maior e sua autonomia é menor que os A340-500...

    ResponderExcluir

Gostou do artigo??? Detestou? Dê a sua opinião sobre o mesmo.