Google Website Translator

sábado, 11 de julho de 2009

A Rota Polar

Até a metade da década de 1950, o Ártico e a Antártica eram lugares misteriosos e praticamente inexplorados, e nenhuma rota da aviação comercial passava por lá, embora já se soubesse que era o caminho mais curto para várias rotas ligando Europa e Ásia e Américas e Ásia, por exemplo, devido ao fato da Terra ser esférica. Isso pode ser verificado com um simples pedaço de barbante colocado em cima de um globo.
A primeira empresa aérea a explorar comercialmente a rota polar foi a SAS - Scandinavian Airlines System, da Suécia. Em 1954, a SAS inaugurou uma rota ligando a Europa a Costa Oeste dos Estados Unidos via Groenlândia, reduzindo mais de 900 Km o percurso em relação à rota antiga, que passava por New York.

Na década de 1950, a rota polar da Europa para a Ásia era ainda atraente devido ao fato da Rússia bloquear rotas ao norte da Ásia, forçando as companhias aéreas a navegar de Londres a Tokyo, por exemplo, passando pela Índia, vôos que levavam 50 horas naquela época.

O que torna as rotas transpolares tão especiais não são as condições atmosféricas. A meteorologia no Ártico, por exemplo, é bastante estável para uma aeronave voando em cruzeiro. O frio não é muito maior que em outras regiões do globo e praticamente toda a nebulosidade e as turbulências ficam abaixo de 20 mil pés.

Na verdade, a maior dificuldade de se voar nas regiões polares é a dificuldade de se orientar. Para começar, as bússolas não funcionam direito, devido à proximidade do Polo Magnético. Todas as noções de direção que o piloto possuem tornam-se praticamente sem sentido nessa região. No Polo Norte propriamente dito, não existe Norte. Tampouco existem Leste e Oeste, toda direção é Sul, para qualquer lugar do mundo em que se queira ir.

Junte-se essa dificuldade de orientação a uma grande dificuldade de se ter uma noção do tempo: acima do Círculo Polar, o Sol nasce e se põe só uma vez por ano. Como toda direção é Sul, o Sol sempre estará no Sul, e é sempre meio-dia. Também pode ser qualquer hora que se quiser, pois todos os fusos horários se encontram no Polo.

O jornalista Wolfgang Liegewiesche, que participou de um dos vôos de treinamento da SAS na época da introdução dos voos pioneiros sobre a rota polar, entre Fairbanks, no Alaska, e Bodö, na Noruega, fez uma interessante descrição da sua experiência: "A primeira coisa de que perdi noção foi o tempo. Quando decolamos de Fairbanks a tarde já ia avançada e o sol estava baixo do lado do poente. Ali, o sol começou a fazer diabruras. Quando tocou no horizonte, parou; a seguir, durante uma hora mais ou menos como que nos acompanhou, mantendo-se na mesma posição na ponta de nossa asa esquerda. E então subiu! Esse foi o momento mágico do voo. Pois onde o sol nasce é leste e quando o faz é de manhã. Assim, subitamente durante o jantar o oeste havia subitamente se transformado em leste e o entardecer tornara-se em manhã. Não haveria noite".

O problema de navegação existente nas rotas transpolares é, na verdade, uma criação humana. Os meridianos convergem todos no polo e o paralelo 90 graus torna-se um ponto devido a uma mera convenção dos homens. As cartas de navegação polar da SAS adotavam uma convenção diferente, abolindo-se simplesmente o polo e fazendo-se um quadriculado sobre a região polar, com o "norte" da quadrícula voltado para o Oceano Pacífico.
O problema da bússola inoperante foi resolvido de modo simples: não se usa bússola. A SAS utilizava uma espécie de giro direcional aperfeiçoado. Nos giros direcionais normais, a proa tem que ser ajustada a cada 20 minutos, pela indicação da bússola magnética. Como as bússolas não funcionam perto dos polos, precisava-se aumentar esse tempo. O giro-direcional da Bendix, utilizado na SAS, podia manter a precisão por 20 horas, e com certeza é considerado o ancestral dos sistemas de navegação inercial hoje utilizados em todas as aeronaves comerciais.

Atualmente, com o uso de navegação inercial e GPS, os problemas de navegação tornaram-se coisa do passado, e a rota polar é bastante utilizada para voos intercontinentais. Viajar nessa região hoje é confortável e oferece, ainda, a possibilidade de vislumbrar a vastidão do Ártico (ou da Antártica, rota bem menos frequentada) e a extrema beleza das auroras boreais (foto abaixo).
Com o fim da União Soviética e da Guerra Fria, a Rússia finalmente autorizou voos sobrevoando seu território, e as rotas polares finalmente puderam ser aproveitadas em todo o seu potencial, tornando desnecessários os desvios que eram feitos antes de 1990.

Fotos: Yevgeni Pashnin (Aurora Boreal vista do Boeing 747) e Gary Vincent (O Ártico visto de um Boeing 707). - Airliners.net

Mapa: Wikipedia

9 comentários:

  1. Que relato interessante do jornalista... Deve ser uma experiência fantástica! Ainda fico curioso sobre não existirem muitos vôos sobre a Antartida... 'diminuiria' a distância entre a Améria do Sul e Austrália e Ásia.

    ResponderExcluir
  2. A cia. australiana Qantas faz a rota transpolar normalmente.

    ResponderExcluir
  3. Deve ser uma experiência fantástica, mas li que aumenta consideravelmente os níveis de radiação nas rotas transpolares. Mesmo assim eu arriscaria para poder ver uma aurora boreal. #givemethisgift_Qantas

    ResponderExcluir
  4. Deve ser uma experiência fantástica, mas li que aumenta consideravelmente os níveis de radiação nas rotas transpolares. Mesmo assim eu arriscaria para poder ver uma aurora boreal. #givemethisgift_Qantas

    ResponderExcluir
  5. e para os terra planistas o que eles pensariam disso tudo,levando emconta que os mesmos acreditam em uma borda de gelo que eles chamas de calotas polares/mas a terra e´esferica na a viaçao esta provado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será mesmo amigão? Pesquise sobre todas as rotas aéreas mapeadas e verá que nenhum desses voos realmente SOBREVOAM a Antártida, mas apenas passam pela beirada!

      Excluir
    2. Tá certo, tá certo!!!...
      Não confrontemos os terraplanistas!
      (O médico deles pediu!)

      Excluir
  6. Apenas um pequeno ajuste. Bodo é na Noruega e não na Suecia embora isto não faça qualquer diferença no relato muito interessante.
    Outro ponto que seria interessante abordar é que o voo polar no inverno (Junho na Antarctica e Dezembro no Ártico) é muito diferente do que no verão e em termos de percepções de noite e dia.

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pela colaboração, Álvaro, o erro já foi reparado. Volte sempre!!!

    ResponderExcluir

Gostou do artigo??? Detestou? Dê a sua opinião sobre o mesmo.