Google Website Translator

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Ilyushin Il-86 - o jumbo soviético

A década de 1970 foi marcada pela introdução das primeiras aeronaves "wide-bodies" na aviação comercial, como o Boeing 747, o McDonnell-Douglas DC-10, o Lockheed L-1011 Tristar e o Airbus A-300. Os russos não podiam ficar de fora, e o Escritório de Desenhos Ilyushin lançou um grande avião de 4 motores e de médio alcance, o Il-86.
O Il-86 foi o primeiro wide-body soviético e o segundo wide-body quadrimotor, depois do Boeing 747. A fabricação ficou a cargo de um consórcio russo-polonês entre os fabricantes MAP Factory nº 64 e WSK PZL-Mielec.

O primeiro voo ocorreu em 22 de dezembro de 1976. A aeronave, entretanto, demorou muito a entrar em serviço, devido a problemas no desenvolvimento dos motores. A União Soviética passava então por um período economicamente problemático, a chamada Estagnação Brezhnev, que viria a conduzir posteriormente ao colapso do sistema de produção soviético vários anos depois. Foi somente em 1980 que a primeira aeronave entrou em serviço na Aeroflot, mas não a tempo de estrear antes das Olimpíadas de Moscou de 1980, como queriam os líderes soviéticos.

Ao entrar em serviço, os Il-86 demonstraram ser aeronaves confiáveis e seguras. Efetivamente, desde 1980 até agora, não ocorreu nenhum acidente fatal com os Il-86 no serviço de transporte de passageiros. O único acidente fatal ocorreu em 2002, logo após a decolagem de Moscou para St. Petersburgo, em um voo de translado. A causa do acidente foi um defeito no botão do trim elétrico no manche, que causou uma re-trimagem espontânea da aeronave para nose-down. A aeronave chocou-se com o solo e 14 das 16 pessoas a bordo, entre tripulantes e pessoal de apoio de solo faleceram. Fora esse acidente, ocorreu ainda um outro em Dubai, com passageiros a bordo, mas sem registro de mortos e nem de feridos: foi um pouso de barriga, causado pelo esquecimento da tripulação em baixar o trem de pouso.

Somente 106 Il-86 foram fabricados. Dessas, uma célula estática foi destruída no teste de certificacao e apenas três foram exportadas. As demais aeronaves foram utilizadas pela Aeroflot e, depois do colapso da União Soviética, por várias empresas aéreas dos países ex-soviéticos. Ao contrário da maioria das aeronaves russas de passageiros, o Il-86 não teve grande utilização como aeronave militar.

O maior problema relacionado com o desenvolvimento do Il-86 foi com os motores, e nunca foi resolvido satisfatoriamente. Enquanto no Ocidente os EUA e a Grã-Bretanha fabricavam motores turbofan de by-pass ratio de 4 a 5 por um, os motores Soloviev V-30, os mais avançados turbofans soviéticos da época, selecionados para equipar o Il-86, tinham by-pass ratio de apenas 2,4 por 1. Esses motores, entretanto, não conseguiram atingir os parâmetros de desempenho necessários, e foram substituídos pelos menos avançados, mas mais potentes motores Kuznetsov NK-8, que tinham by-pass ratio de apenas 1,15 por 1. Ambos os motores eram muito ruidosos e tinham alto consumo específico de combustível, que limitou bastante a autonomia da aeronave. Motores soviéticos de grande razão de bypass só se tornaram realidade já no final dos anos 80, com os enormes Lotarev D-18T, que nunca equiparam os Il-86.
Os Il-86 foram fabricados de 1977 a 1994, e foram sucedidos pelas Il-96 na linha de produção. Tinham capacidade para até 350 passageiros em classe única, ou 320 em configuração de 3 classes. As aeronaves tinham 48,06 m de envergadura por 60,21 metros de comprimento e 15,68 metros de altura. O peso máximo de decolagem (MTOW) era de 215.000 Kg.

Os Ilyushin Il-96 serviram muitas linhas internacionais, inclusive voos ligando Moscou ao Rio de Janeiro pela Aeroflot, com uma escala na Ilha do Sal. Somente 23 aeronaves ainda permanecem em serviço ativo, sendo 19 civis e 4 militares.

2 comentários:

  1. Olá, Jonas! Adicionei seu texto sobre essa aeronave, com a devida adaptação e adições, à Wikipedia, com os devidos créditos, mas foi bloqueado. Agora eles solicitam que o autor envie uma permissão. Podes colaborar?

    ResponderExcluir
  2. Olá, Prestes, é só me dizer como eu posso colaborar, ok?? Não faço nenhuma restrição ao uso do conteúdo desse blog, desde que citada a fonte.

    ResponderExcluir

Gostou do artigo??? Detestou? Dê a sua opinião sobre o mesmo.